Caneta e Papel

(com qualquer ou nenhuma inspiração.)

Dizem que o mês de agosto é o dos bichos peçonhentos, daqueles que picam, ferem, imobilizam a vítima e, às vezes, até envenenam quando não a querem mais. Não sei se existe fundamento, mas a verdade é que há alguns ‘agostos’ tenho sido continuamente picada por um bichinho em forma de balança e apesar de, …

Continue lendo

A folhinha virou. Pela nona vez é 29 de agosto. Aqui dentro, as memórias desse tempo todo, daquelas que nenhum manual poderia instruir, rebobinam-se em replay. É significativo que as bodas de namoro sejam as Orquídeas, cujos galhos suaves até envergam, parecendo que vão quebrar, mas voltam fortes e exalando ainda mais perfume. Apesar de muito …

Continue lendo