Caneta e Papel

(com qualquer ou nenhuma inspiração.)

Há alguns anos venho assistindo ao Oscar. Por gostar de cinema e também pra tentar entender a cabeça dos críticos. E nesse ano assisti ainda com mais interesse: pelo Heath Ledger e por “O curioso caso de Benjamin Button”.

Pensei que nenhuma TV iria apresentar o evento, afinal a Rede Bobo (que detém os direitos de transmissão no Brasil) jamais deixaria de mostrar as mulheres nuas a frente das baterias das escolas de samba, né? A gente que se vire pra ver algo que preste, hehe. Mas a TNT salvou a pátria (isso pra quem paga pra ter TV).

Bom, Hugh Jackman foi o apresentador deste ano. Aliás, o cara é bem mais que o ator atrás do Wolverine e homem mais sexy do mundo. Conduziu direitinho o show e ainda deu amostras de sua versatilidade. Pra acompanhar a Beyoncé tem mesmo que ser um showman.

hughoscar

Mas não foi por causa desse corpinho bonito que me prendi em frente a TV. Acho que todos sabiam que o momento que mais interessava – antes mesmo de saber qual o melhor filme – era a premiação de Ator Coadjuvante. E eu, como já vinha acompanhando desde o Globo de Ouro, queria mesmo era saber quem ia aceitar o prêmio em nome do ‘Coringa’.

wz_heath_ledger_the_dark_knight_batman_t4t3yht58

A Academia é super conhecida (e meio careta) por não premiar certos tipos de filmes e nem de dar prêmios póstumos. Somente um ator havia ganho tal honra. Mas ninguém e – ao mesmo tempo – todos se surpreenderam: o Ator Coadjuvante foi mesmo Heath Ledger. Me emocionei. “Batman – O cavaleiro das trevas” é um filme denso, de prender a respiração e pra um ator segurar a peteca do início ao fim, ampliando a importância do seu personagem a ponto de superar o próprio protagonista, tem que ser excelente.

E, pra matar minha curiosidade, quem recebeu o prêmio foi a família dele. Um discurso que fez olhos encherem d’água na platéia e fora dela, com certeza. Lindo e merecido.

45209905

Diga-se de passagem que a Academia esse ano, ao enxugar seu orçamento, inovou e brilhou na forma de anunciar os vencedores das categorias individuais. Cinco vencedores de cada categorias, onde cada um deles falava de um indicado escolhido. Simples, acolhedor e muito bonito.

show780_suppactresses

Por fim, minha segunda maior expectativa era saber se “O curioso caso de Benjamin Button” venceria. E aí entra mais uma das bobeiras. O filme não ganhou. E apesar de ser suspeita pra falar – já que não assisti o vencedor “Quem quer ser milionário?” -, confesso que foi decepcionante. Não vou com a cara do Rubens Ewald Filho, mas ele foi categórico nas entrelinhas: Hollywood quis fazer média com Bollywood (a sede do cinema indiano). E mais um ótimo filme que fica sem reconhecimento. Mas também o que importa?

A história de Benjamin Button faz qualquer um sair pensando e analisando a vida. Vale cada minuto das mais de duas horas de filme. E garanto que não é só pela beleza do Brad Pitt e seu aclamado bumbum, heheh.

benjamin_button

O melhor da noite ficou mesmo nas mãos de Slumdog Millionaire (filme, diretor, trilha sonora, efeitos, roteiro e outra coisa que não lembro agora), mas Kate Winslet (pensei que ela ia quebrar a estatueta de tanto que apertava entre os dedos, heheh), Sean Penn (que interpretou um gay, com direito a beijo na boca e tudo mais) e Penélope Cruz (hablando en su lengua!).

E nesse ano, quem fará história?

😉

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: